sábado, 30 de junho de 2012

Fábio Bertolucci

A turma não teve muita dificuldade para identificar o personagem do último Desafio. Era o piloto de Gramado Fábio Bertolucci, no início de sua carreira no kart, em 1973. Fábio fazia parte da equipe Gramado Competições, que tinha o patrocínio do Hotel Serra Azul e das Malhas Anne Rose. Na equipe corriam também o irmão de Fábio, Ronaldo, Jorge Martinewski, Roberto Schmitz, Gilberto Pierini, Nelson Rolla e Júlio César Dias, que foi quem me enviou os dois primeiros registros abaixo (ele aparece circulado nas imagens).

Bertolucci ficou no kart até 1975, quando passou a competir na Divisão 1 com um Chevette, mantendo em seu carro o #2 que trazia da época do kart.

Nas temporadas de 1976 e 77 montou uma equipe na Fórmula Ford, competindo ao lado do antigo parceiro Jorge Martinewski. E foi no dia 15 de Maio de 1977, em Tarumã, que o seu talento foi nacionalmente reconhecido. Na segunda etapa do Campeonato Brasileiro de Fórmula Ford, que na época reunia várias feras do automobilismo brasileiro, entre elas Amedeo Ferri e Artur Bragantini, Fábio venceu a sua bateria eliminatória e a bateria final contra quase 30 concorrentes. A vitória em Tarumã o ajudou a concluir o campeonato na quarta colocação.

Os planos de Fábio para o ano seguinte, motivado pelos bons resultados na Fórmula Ford nacional, era obviamente a Europa. Porém, num treino na Alemanha acabou sofrendo um acidente que o deixou afastado das pistas até o final de 1979, quando voltou a disputar algumas provas na Fórmula Ford brasileira.

Sem equipe para a temporada de 1980 na Fórmula Ford, Fábio mudou radicalmente seus foco, indo acelerar no Rallye, mas quem nos contará mais sobre isso será o Mestre Renato Pastro num próximo post. 

A partir de 1986 retomou às pistas no Campeonato Regional de Turismo, com um Gol da equipe Gramado Racing ao lado de João Alfredo Ferreira, o "Baguncinha". Em 1988 retomou a parceria com o irmão Ronaldo no mesmo campeonato, desta vez com um Passat. Ao final daquele ano, Fábio e a Gramado Racing já davam mostras das suas intenções para o ano seguinte, adquirindo um Voyage e estabelecendo uma dupla com Amadeo Moeller. Esse esquema seria a base da equipe Rinaldi Racing que faria o Campeonato Brasileiro de Marcas e Pilotos - Copa Shell - em 1989.

Já na segunda etapa em Tarumã, o Voyage #17, preparado por Dino Di Leone, a dupla Bertolucci e Moeller chegou a comemorar a vitória, porém foi desclassificada por irregularidades técnicas (amortecedores argentinos não homologados pela CBA). Apesar da desclassificação, a equipe não desistiu de perseguir a vitória, que acabou vindo alí mesmo em Tarumã, numa das últimas etapas daquela temporada, com Fábio correndo ao lado do experiente Ronaldo Ely.

Bertolucci ainda participou das temporadas de 1990 a 1992 da Copa Shell na mesma equipe, fazendo dupla com Evaldo Quadrado.

Abaixo uma série de imagens que mostram registros da carreira de Fábio Bertolucci nas pistas. 
















Fonte das imagens: revistas Quatro Rodas e Auto Esporte, arquivos Júlio César Dias, Ricardo Baldino, João Campos, site Fórmula 1.6, jornal Zero Hora, jornal Esporte Motor e arquivo pessoal.

domingo, 24 de junho de 2012

Desafio da Semana

Quem é o guri abaixo? E que ano foi isso?


Mãos à obra!

sábado, 23 de junho de 2012

Vadis Grando

O último Desafio foi um dos poucos que não teve acertadores. O único palpite até chegou perto, já que o Lúcio Winck também foi um dos maiores pilotos do kart gaúcho na década de 80, porém a resposta correta era o piloto de Vacaria, Vadis Grando.

Vadis teve forte atuação nos campeonatos Gaúcho e Citadino na segunda metade dos anos 80, porém sua passagem pelo automobilismo foi relativamente rápida. Após o sucesso do kart, participou de apenas duas temporadas do Gaúcho de Fórmula Ford, inicialmente com um chassi JQ-Reynard que pertencera à Maria Cristina Rosito e depois um Swift montado por Paulo Ratkiewicz.

Encontrei um registro do nome de Vadis Antônio Grando como participante da prova Encosta da Serra de 1969. Este provavelmente deveria ser o pai do kartista.

Abaixo alguns momentos de Grando em ação, na primeira imagem seguindo o adversário Lúcio Winck e mais abaixo nas provas da Fórmula Ford.





Fonte das imagens: jornal Esporte Motor.

domingo, 17 de junho de 2012

Desafio da Semana

O Desafio de hoje nos é trazido pelo amigo da esquerda na imagem abaixo: o mestre blogueiro, Luiz Pedro Borgmann. O vivente da direita foi um grande kartista dos anos 80 e o Luiz o encontrou dia desses por essas bandas. Alguém aí consegue reconhecê-lo após todo esse tempo?


Mãos à obra!

sábado, 16 de junho de 2012

DKW Malzoni 1966 Pérola

O último Desafio gerou uma ótima discussão entre os blogueiros e quem assistiu a tudo isso, aguardando para se pronunciar foi o Comandante Renato Pastro, que foi quem enviou a imagem do Malzoni e de seus ocupantes, o saudoso Henrique Iwers e seu companheiro Werner Spenner.

O Pastro nos trouxe várias informações sobre a imagem, além de mais algumas para dividir com todos. Vai Comandante!

"Nas fotos onde aparece o GT Malzoni DKW de N° 51 (único modelo deste tipo inscrito na prova) são referentes ao I RALLYE IPIRANGA realizado em 30 de Novembro a 01 Dezembro 1968.

Era pilotado por Henrique Christiano Iwers e navegado por Werner Spenner, dupla de Porto Alegre que terminou a prova na 9ª colocação final com 600 pontos perdidos entre os 164 concorrentes na disputa.
Deve-se destacar a ótima performance na primeira etapa onde perderam somente 57 pontos terminando em 3° lugar.

Em uma das fotos podemos ver Werner Spenner com o seu equipamento de navegação. Ele era Comandante Master da VARIG em vôos internacionais.

Com este mesmo carro, no ano de 1968, Henrique Iwers participou de provas de velocidade nas estradas do Rio Grande do Sul como:
11 de Fevereiro - XII ANTONINHO BURLAMAQUI – 5° Lugar
11 de Agosto – 500 QUILÔMETROS DE PORTO ALEGRE - PEDRA REDONDA - 3° Lugar

A terceira foto abaixo é em Caxias do Sul na preparação para a continuação do Rallye em sua segunda etapa.

As fotos do DKW N° 82 são relativas ao II RALLYE IPIRANGA disputado em 25 e 26 de Outubro de 1969. Novamente a dupla Iwers/Spenner participou chegando em 44° lugar entre os 116 carros que conseguiram classificação."

O Pastro conseguiu ainda um registro da inscrição da dupla na prova de 1968, que mostra o ano de fabricação do carro, um 1966 cor Pérola. Ao que consta foi com esse carro que Iwers fez sua última prova, na inauguração do Autódromo de Tarumã, no final de 1970. De acordo com o Pastro esse carro está preservado por Eduardo Pessoa de Melo no DKW Clube do Brasil.

Por fim, publico mais uma imagem do Iwers, desta vez em Capão da Canoa, após a prova Antoninho Burlamaqui de 1968.

Agradeço ao Pastro pelas colaborações e pelos amigos que passaram a semana discutindo os detalhes de mais um Desafio.








Fonte das imagens: arquivo Renato Pastro.

domingo, 10 de junho de 2012

Desafio da Semana

Quem são os cidadãos abaixo? Que carro é esse? E para que prova eles estavam se preparando? 


Mãos à obra!

sábado, 9 de junho de 2012

Irmãos Coragem

O Heitor Cardoso acertou parcialmente o último Desafio aqui do blog. Era mesmo a Patrícia de Souza, porém faltou citar seu irmão Paulo, com quem fazia dupla naquela temporada do Gaúcho de Marcas e Pilotos de 1990.

Paulo e Patrícia, os irmãos de Caxias do Sul, iniciaram aquela temporada competindo com um Passat, mas na metade do campeonato, em razão das alterações do regulamento, optaram trocar o velho Passat por um Gol, e já na estreia, na quarta etapa obtiveram um segundo lugar na prova 3 Horas de Guaporé.

O Gol acabou sendo também utilizado na prova de Tarumã do Brasileiro de Marcas e Pilotos. A dupla fazia uma excelente prova, mas uma rodada acabou prejudicando um melhor resultado dos irmãos.

Paulo iniciou no kart, no início dos anos 80, mas foi no Rallye que obteve seu primeiro título, em 1986, fazendo dupla com o navegador Jacques Demore com um Voyage da categoria Estreantes. No ano seguinte voltou para o kart e em 1988 participou de algumas provas do Gaúcho de Opalas. Na última etapa do ano venceu, mesmo largando da última posição, comprovando o seu talento e demonstrando que estava disposto a brigar pelo título de 1989 e foi exatamente isso que aconteceu. Paulo venceu a maioria das provas, tendo em César Mathias o seu grande adversário, mas acabou desclassificado de uma prova e o título ficou para Mathias. Porém, Paulo entrou com um recurso na justiça e já no ano seguinte, conseguiu reverter a decisão e finalmente foi declarado campeão da temporada de 1989.

Por sinal, 1989 foi um ano de muitas conquistas para os irmãos Souza. Na última prova do ano, as 12 Horas de Tarumã, eles venceram, saindo da pole position, tendo ainda Luiz Gustavo Lazzari na pilotagem do Opala.

Aquele resultado não foi uma surpresa, pois nas 12 Horas de 1988, os irmãos, na ocasião correndo com Rudimar Berlaver, haviam feito a pole position e se não fossem problemas mecânicos teriam naquela oportunidade.

Depois de 1990, Paulo correu mais algumas provas do Brasileiro de Marcas em dupla com Eduardo de Freitas, vindo a falecer anos mais tarde.

Patrícia também iniciou no kart, por influência do irmão. Por pouco não saiu vencedora de sua prova de estreia, nas 12 Horas de 1988. Depois de competir no Gaúcho e Brasileiro de Marcas, participou de outras categorias como TC1600, Copa Fiesta Feminina, além de provas de longa duração. Na última 12 Horas de Tarumã, participou de uma equipe apenas de gurias, tendo a Isadora Diehl e a Sabrina Kuronuma. O trio obteve um excelente segundo lugar na Classe IV e 11º no Geral.

Abaixo algumas imagens da carreira dos irmãos.












Fonte das imagens: jornal Esporte Motor, arquivo Clube Porto Alegre de Rallye, arquivo Muriel Hirschmann, revista Auto Esporte, site Inema e arquivo Patrícia de Souza.

quarta-feira, 6 de junho de 2012

Iwers

Como bem lembrou o amigo Renato Pastro, há exato um ano, o automobilismo gaúcho perdia um grande nome de sua história.


Fonte da imagem: jornal Zero Hora.

sábado, 2 de junho de 2012

El Pinar, 1975

O último Desafio trouxe uma bela e rara imagem, mostrando uma prova no circuito Víctor Borrat Fabini, ou simplesmente El Pinar, no Uruguai. Quem identificou o local foi o Fernando D'ávila Soares, o "Naná", que por várias vezes correu naquele autódromo.

O registro foi primeiramente publicado pelo Fernando, lá do blog Hiperfanauto que por sua vez descobriu a imagem no facebook Historia del Automovilismo de Uruguay.

El Pinar, que fica a cerca de 30 km de Montevideo, foi inaugurado em 1956 e, segundo os registros, foi reinaugurado em 1975, com algumas provas na programação, entre elas a da Divisão 3, que teve a participação de vários pilotos gaúchos. Conforme lembrou o "Castrinho", que aparece na imagem com seu Fusca #87, foi uma prova festiva. "Naná" esteve presente na prova da Divisão 1.

Como já citado aqui mesmo no blog em várias oportunidades, era comum os pilotos gaúchos correrem no Uruguai, inclusive com provas válidas pelo Campeonato Gaúcho.

Dos pilotos que aparecem na imagem foi possível identificar quase todos. O Fusca #74 era de Voltaire Moog, o Fusca escuro era do Bruno D'almeida, na segunda fila aparece o Fusca #80 do Fernando Moser e o Mini Morris do uruguaio Pedro Kent, preparado por  Pedro "Vasco" Sehabiague, na fila seguinte, estavam "Castrinho" e o #7 de Arnaldo Fossá. Por fim, aparece o Chevette #71 de Ronaldo Ely e o Fusca #4 que é o único que não consegui identificar. Pensei que pudesse ser ou o Jorge Fleck ou o Cláudio Mello, mas o "Naná" achou que poderia ser o piloto Arduino de Santana do Livramento.

Bruno D'almeida lembra que quem venceu foi o Mini, mesmo largando da segunda fila. Já ele, terminou a prova na segunda posição.

Procurando nos arquivos, acabei encontrando uma imagem do Arnaldo Fossá que creio ser da mesma prova.



Fonte das imagens: arquivo Arnaldo Fossá e Historia del Automovilismo de Uruguay.