quarta-feira, 11 de dezembro de 2013

12 Horas 2013 - Impressões

E lá se foi mais uma 12 Horas. A 33ª disputada em Tarumã. Acho que foi a 22ª que assisti. Mais ou menos isso. Desde a primeira, em 1988, depois falhei um ano, depois voltamos, no Tala, debaixo de muita chuva, depois Guaporé, aí meu tio começou a correr com o Chevette dele, depois o Uno.... falhei mais uns e, olha, já faz tempo que não perco uma.

Cheguei no autódromo no fim da tarde de sábado, quando a segunda bateria da Classic estava começando. Tive a chance de ver novamente na pista o meu grande amigo Roberto Lacombe no seu Passat #33, mesmo número daquele Speed que deu aquele inesquecível capotão na saída da 3, em 1990 (Vi tudo e me lembro como se fosse hoje). Vi carros de fora do estado, de Santa Catarina, Paraná e São Paulo. Legal a integração. A etapa preliminar das 12 Horas sempre tem cara de festa, mesmo com as pancadas que aconteceram. Quem levou a melhor nas duas baterias foi o Fusca #13 do meu amigo José Sala, seguido pelo Escort #32 do Luciano Marx, carro e piloto que fazem parte da história das 12 Horas, pois venceram em 1997, contando ainda com a pilotagem de Vitor Hugo Castro, Luiz Carlos e Rodrigo Ribas.
 

 
 Algumas coisas me chamaram a atenção logo na chegada ao autódromo. Primeiro foi a grande quantidade de barracas, tendas e trailers que tomavam boa parte dos espaços junto à tela, desde a área entre curva 3 e descida do Tala Larga, passando por todo o Tala até a área do paintball. Mais tarde, no meio da noite, vi alguns acampamentos montados até na curva 2. Fazia tempo que não via o Tarumã assim. Perguntei ao Márcio Pimentel - administrador do autódromo - e ele me informou que tivemos cerca de 6000 pessoas assistindo a prova. Parecia mais, bem mais. Outro ponto a destacar foi o pedido da administração do autódromo para que o som automotivo não fosse utilizado, ou pelo menos que houvesse moderação. O "Perna" fez alguns apelos pelo microfone e, ao menos por onde andei, era possível ouvi-lo nos autofalantes.
 

Fui aos boxes dar uma conferida nas baratas e essa foi a parte mais legal do final de semana. O reencontro com os amigos fez com que as horas que antecederam a largada passassem muito rápido, afinal tudo o que é bom, dura pouco. Dei uma passada na torre para dar um alô ao querido "Perna" e olhando a lista de inscritos junto com o "Ratão", sentimos a falta de um piloto em especial: Paulo Hoerlle. Se não nos enganamos, Paulo tinha sido o único piloto a competir em todas as edições da prova em Tarumã. Aquela seria a primeira ausência dele, que ainda está na ativa, é bom registrar. O "Perna" imediatamente abriu o microfone e soltou essa informação. Menos de um minuto depois o Luciano Mottin foi até lá e surpreendeu a todos informando que estava acabando de inscrever o Paulo no MCR #46 e que estava ligando para ele naquele exato momento. Grande gesto do "Mosca", porém em razão dos problemas com o carro, não creio que o Paulo tenha chegado a acelerar, mas valeu a intenção.
 
Pois bem, papo vem, papo vai, dei uma rápida passada no grid e fui em direção à reta, quase curva 1 para assistir a largada. Peguei meu carro e por pouco não perco a mesma, já que quase não havia espaço para estacionar. A reta também estava com um público muito bom. Dos 32 carros inscritos, 30 participaram da largada que foi feita com safety car, logo após o tradicional show de fogos da curva 1. O MRX #28 de Juliano Moro disparou na ponta num ritmo quase que de classificação. Com menos de três voltas ele já começava a colocar volta sobre os últimos colocados.

 


As baixas começaram a partir da quarta volta e o primeiro da lista foi o MRX fechado #4. Pouco depois, com 47 voltas era a vez de Moro abandonar. O belo Subaru #82 também não durou muito mais do que 60 voltas e outro forte candidato a ser o "Fita Azul", o MC Tubarão, abandonou a prova com 102 voltas. O MCR #46 chegou a liderar após o abandono do MRX #28 e bem que tentou improvisar uma solução para o problema de superaquecimento, mas também não resistiu, bem como o sempre competitivo Spyder dos Stédile que também ficou pelo caminho.
 
A partir dos abandonos, dois carros despontaram na prova, os MRX #10 e #12, disputa que concentrou as atenções de todos a partir das 4:00. A diferença entre eles nunca passou de quatro voltas, sendo que na maioria das parciais divulgadas, era inferior a uma volta, com leve vantagem para o #12. A equipe vencedora do ano passado chegou a ocupar a primeira posição no meio da manhã, mas ao final quem levou a melhor foi mesmo o trio do #12, Luciano Cardoso, o experiente paulista Jindra Kraucher - seu parceiro de pilotagem no Gaúcho e Brasileiro de Endurance - e ainda o também paulista Aldo Piedade Jr, que se juntou ao time chefiado pelo competente José Laênio Cardoso.
 

 
Na classe Turismo, a vitória ficou com a Maserati #18 do quinteto Fernando Poeta, Guilherme Daudt, Paulo Rutzen, Vilson Junior e Jeferson Puhl, carro que repetiu a conquista do ano passado.
 

 
Foi a primeira participação da equipe de "Zé Laênio" com um protótipo nas 12 Horas, já que sempre competiam com carros da classe Turismo, porém a conquista não foi por acaso. A equipe adquiriu um carro muito competitivo, se estruturou muito bem e conquistou o título Gaúcho e Brasileiro de Endurance. As 12 Horas vieram para consagrar o belo trabalho feito pela equipe. Parabéns aos campeões!
 
Assim que possível publicarei o resultado ilustrado da prova. Aguardem.

5 comentários:

Anônimo disse...

A questão do incômodo do som no autódromo,se repetiu no Tala. Desde a noite de sexta, com a chegada de cinco Srs. de Ilópolis/RS(de novo)só podemos conversar aos berros, não ouvimos nada do Perna, e cochilar nem pensar. Só placas, sem ninguém para aplicar o que estava escrito. Recorri à segurança, e até ao Perna...Nada. Pra 2014 eu, e o nosso grupo vamos repensar a ida(não faltamos desde 1999), pois somos de longe (Sta Maria/Ijui) e precisamos de pelo menos um sono de algumas horas, e não voltar sem voz, como nos aconteceu. Abraço Sanco.
Marcelo Wild Machado

Julio Cesar Gaudioso disse...

Numa prova em Santa Cruz do sul, faz alguns anos, a transmissão da TV atrasou pois um idiota estava com o som tão alto que atrapalharia a narração. E pelo mesmo motivo, ele não ouvia a solicitação para baixar o volume.

São Vicente do Sul Hoje disse...

Sanco:

Pois me disseram que o Deoclécio tava no Tala, junto com o cusco Ventania. Falaram que ia dar uns pranchaços nos barulhentos dos carros com som imbecil, mas o pessoal do "deixa disso" acalmou.
Da outra vez, deixem o índio impor a ordem!!!!!!!!!!!!!

São Vicente do Sul Hoje disse...

Sanco:

Pois me disseram que o Deoclécio tava no Tala, junto com o cusco Ventania. Falaram que ia dar uns pranchaços nos barulhentos dos carros com som imbecil, mas o pessoal do "deixa disso" acalmou.
Da outra vez, deixem o índio impor a ordem!!!!!!!!!!!!!

Anônimo disse...

Acampo nas 12 Horas já fazem alguns anos. Percebi um aumento na quantidade de expectadores(como cheguei meio tarde, só consegui acampar na saída da curva 2, e o público chegou durante toda a noite). A questão do som realmente melhorou consideravelmente, somente alguns "espertos" que não sabiam nem pra que lado era a corrida, mas estavam dando o seu show. Como sugestão, poderiam ser colocados alguns "Pipi Móveis" na área entre as curvas do Laço e do Tala. Percebi uma melhora nos serviços de segurança e limpeza. No domingo, logo após o meio dia, já havia uma equipe recolhendo o lixo deixado pelas pessoas que estavam acampando - que também demonstraram civilidade deixando tudo em sacolas plásticas.
Abraço.