segunda-feira, 6 de junho de 2011

O quase primeiro pódio em 12 Horas

Dando continuidade à trajetória do amigo Ayrton Brum nas pistas, hoje ele nos conta a história de sua primeira 12 Horas de Tarumã, em 1994.

"Em Dezembro chegou a prova das 12 Horas de Tarumã. Como jogo Tênis, tive uma lesão na perna e estava com uma tala de gesso e de licença médica do serviço. Em casa
estava resmungando, pois não tinha corrido as 12 Horas de 93 e novamente estava sem grana para correr a de 94, e ainda com a perna engessada.

A prova teria início no sábado a meia-noite. Na sexta-feira à tardinha, recebo uma ligação do João Mascarello, meu antigo preparador, me perguntando: Brum, queres correr as 12 Horas???

Eu disse: Mascarello, vai pra pqp! Tu sabes que não consigo levantar a grana. E ele respondeu: Brunzinho, você não precisa entrar com nada, só com a pilotagem, pois estou com o carro pronto, iria correr o Giovane Schorn e o Ivan Mônaco com o Fusca 22, mas na noite passada arrombaram a empresa do Ivan e ele não está com a cabeça para correr. Já fizemos até a tomada de tempo e vão correr somente tu e o Giovane. Daí respondi: bom sendo assim, eu vou "muito sem vontade, fazer esse favor a vocês" e ainda disse ao Mascarello que, para não chegar de mão abanando, levaria dois pneus para ajudar naquele "sacrifício".

O Mascarello me disse que eu teria que ir urgente ao Autódromo fazer a minha inscrição e ver o banco do carro, pois o Giovane tinha 1,92 m de altura e eu apenas 1,69 m. Quebrei a tala de gesso e me fui rumo à minha primeira 12 Horas de Tarumã.

Mas o "sacana" sabia que o banco do carro era soldado e parafusado no assoalho do carro e que isso ele não iria mexer.

Coloquei meu nome na porta do Fusca 22 e sentei no banco para ele regular, foi aí que ele me disse: Brum, vai ter que te virar, o banco é soldado e parafusado. Testei apertando a embreagem no fundo e vi que conseguia, mas todo espichado, e ainda comentei: olha Mascarello, não sei como vai ser para o Giovane, mas para mim está certinho (a perna esquerda espichada no máximo e mais um pouco do corpo). Ele riu e disse: é, tô vendo...

O filho do Mascarello, um garotinho na época, tinha somente uma tarefa nessas 12 horas: colocar a almofadinha para eu pilotar e tirar quando o Giovane assumisse a pilotagem. Fizemos uma corrida perfeita, amanhecemos liderando a corrida na nossa categoria, mas às 09 hs da manhã a equipe errou na cronometragem e se perdeu no horário de chamar o carro para abastecer. Deu "pane seca" na pilotagem do Giovane e voltamos rebocados e caímos para último.

Recuperamos o que deu e terminamos a corrida em terceiro lugar. Subimos ao podium, eu todo orgulhoso. Foi quando o "Perna", lá da cabine dele, pelo auto falante disse: desculpe, errei. A dupla Giovane e Brum chegou em quarto lugar e não terceito. Favor descer do podium. Vi em poucos segundos sair voando meu troféu já na minha primeira 12 Horas.

Isso até não foi nada perto da "gozação" dos outros pilotos que me diziam: Brum, era engraçado ver teu carro por traz na curva do Tala. Tu sumias no banco na entrada da curva e só reaparecia quando colocavas a quarta marcha novamente...

Não sabiam eles que eu passei a prova toda, "me espichando" para trocar de marcha e ainda bem que era Tarumã que tinha que cambiar somente em duas curvas."


Abaixo alguns registros daquela prova.




Em breve a continuação.

Fonte das imagens: arquivo Ayrton Brum.

5 comentários:

Cesar Cardoso 45 Racing disse...

Sanco,ainda tenho as folhas da cronometragem em ótimo estado de conservação e relembro com carinho que nesta 12 horas de 94 prova Zero Hora participei no voage 7 equipe AZB/Piraspuma/Rolantense/Polifer/Vodka-Valesa/Chalanger formando o trio com Sérgio Cardoso (maninho)/Victor H.Castro/e perdemos as 11hrs da manhã o primeiro lugar pela guebra de um sinples eixo do carburador, mas levamos com o segundo lugar p/ casa o lindo troféu ZH 30 Anos da RBS, o Fusca 22 Schorn/Brum cat;E estava em terceiro com 50 voltas e na 18pos;na geral ,com 100 voltas ,primeiro e na geral 17pos; com 90 voltas tempo:2:17:16.610-10voltas média 118.639km/h. Abraços!!!

Niltão Amaral e Leo Tumelero disse...

Bah, essas folhas de classificação antigas valem ouro! Tento guardar todas atuais para o futuro!

Francis Henrique Trennepohl disse...

E a perna, doeu muito ou nem sentiu nada?!?! hahahahaha
Abraços empoeirados

Fabiani C Gargioni #26 disse...

Mas báh Ayrton que história legal essa tbém.Só o esporte que amamos pode nos proporcionar "causos"assim,valeu e obrigado!!!

Anônimo disse...

quem quizer me enviar as folhas da 12hrs favor mande pelo
email, henriquemtto@hotmail.com

vou ver se acho algumas fotos da corrida, onde meu pai participou e ficou em 2 na classe E.