domingo, 7 de outubro de 2012

Castrinho

O final de tarde chegou com um e-mail do Paulo Schutz e uma informação que me deixou meio confuso. Ele dizia que tinha acabado de saber da notícia do falecimento do Luiz Alberto de Castro. De imediato pensei: ufa.... não é o "Castrinho", pois o Luis do "Castrinho" é com S, não é com Z. Foi isso que ele me disse a primeira vez que falamos, logo que começei com o blog, em 2007.

Só que mais algumas frações de segundo, e continuei lendo a mensagem e agora o Schutz citava o "Castrinho" e além disso, dizia que já havia confirmado com o Soldan.

Não acreditei. Foi um acidente de moto. De novo? Já não bastou o do Nique há pouco tempo?

"Castrinho" era um dos grandes nomes da história do automobilismo gaúcho. Competiu nas mais variadas categorias dos automobilismo gáucho e nacional. Correu de Fusca, Fórmula Ford, Fórmula 2, Passat, 147, Chevette, Voyage, Escort, Palio, protótipo e venceu na maioria deles.

Desde que nos conhecemos ele passou a admirar o trabalho do blog. Ele me chamava de "Mecenas". Estivemos juntos na semana passada no encontro dos Jurássicos. Estava muito entusiasmado, como sempre. Me contou que o Christian havia corrido na Fórmula 3 no final de setembro, no Velopark. Ele disse que numa das provas Christian teve que parar. "Sabes por que? Dores no pescoço!" E ainda completou: "tu já viste o tamanho do pescoço do Alonso?! Para andar nesse carros tem de ter o pescoço igual ao dele..." "Castrinho" era puro entusiasmo com a carreira dos guris. E foi justo há um final de semana, em Tarumã, que o Matheus deu aquele baile nas corridas dos Minis e o Christian conseguiu aquele pódio com sabor de vitória. Que presentão para um cara que não media esforços para que eles pudessem fazer aquilo que tanto gostavam. Num dos recentes encontros, "Castrinho" me disse: vou adiar a compra do Porsche (Panamera) para investir na carreira dos guris. Sempre que chegava um final de semana de corridas deles, recebiamos um e-mail pedindo a nossa torcida. Estava funcionando.

Difícil acreditar. Bem que podia ter sido um Luiz com Z.

À toda família do amigo, os meus sentimentos.


Acima, Luis (esquerda) e seu irmão Vitor Hugo, quando corriam no Campeonato Regional de Turismo em 1985.

Fonte da imagem: jornal Esporte Motor.

16 comentários:

Anônimo disse...

Que perda ! Difícil de acreditar. Baita piloto, baita amigo, baita pai! Só tenho lembranças boas dele. Foi um dos caras que mais me ensinou a ser piloto, junto com meu pai e com o Walter Soldan. Lembro das corridas que fizemos em parceria no Aldee n° 10. Guiava muito !!! Um dos melhores. Sempre pronto pra dar conselhos. Sempre entusiasmado. Sempre sábio. Sempre recebia a mim e ao meu pai com um beijo no rosto e um abraço apertado.
Nunca esqueço de uma frase dele, logo que comecei a correr com essas feras no Aldee. Dizia ele: "Quando chegar no laço e reduzir de 5ª pra 2ª marcha, o som do motor tem que ser um música pros ouvidos, tu tem que curtir o som das reduzidas, não pode ser nada diferente disso, se for, tá errado!". Inesquecível! Uma pena nunca mais poder ouvir ele chamar meu pai ("E aí magrão, minha véia!") Que ele esteja bem e que a família possa ter força para superar essa tragédia. Valeu Castrinho !
Rodrigo Ribas e família Ribas

Niltão Amaral disse...

Sanco... Permita-me pedir desculpas, usei algumas imagens aqui do teu Blog para homenagear esse grande nome...

http://blogdopassatao.blogspot.com.br/2012/10/mais-uma-perda-em-2012-faleceu-luis.html

Rui Amaral Jr disse...

Lembro bem dele...RIP Castrinho.

Neusa disse...

Lamentável...nunca devemos considerar eternas as pessoas que amamos,temos que nos preparar para as perdas,mesmo que elas não sejam anunciadas através da doença.Filho querido,saiba
enfrentar as surpresas do destino com resignação.

Te amo.
Mãe.

luizborgmann disse...

Alô amigos,
Ainda conversei com Castrinho quando do lançamento do livro, na SüdBMW, irreparável. Empreendedor, amante da velocidade. À familia Castro, os sentimentos.
luiz borgmann

Roberto Giordani disse...

Este ano tem sido cruel na perda de Confrades Jurássicos: Carlos Alberto Petry, depois Ismael Chaves Barcellos e agora este trágico acidente que levou Luis Alberto Ribeiro de Castro.
Desnecessário se faz o relato de suas enormes virtudes pessoais dado que aqueles que conviveram com Castrinho, de uma forma ou outra, sabem o valor monumental e os méritos como homem, filho, pai e amigo que era.
Ironicamente, a mesma paixão que o fazia feliz também quitou sua vida..............
Vais fazer falta para todos nós, caro irmão, pois já não teremos mais tua sempre desejada e alegre presença.
Vai em Paz para tua nova Morada ao lado do Criador, pois este é local que por merecimentos deves estar.
Roberto Giordani
Coordenador dos Jurássicos.

Bárbara A. Sanco disse...

Sinto muito mano!

Francis Henrique Trennepohl disse...

Meus pêsames e muita força pra família.
As coisas lá em cima estão cada vez melhores...
R.I.P., Castrinho!

Anônimo disse...

Buenas!

EStou trabalhandio direto (24 horas X 7 dias), inclusive hoje, domingo, e cansado como estou, chorei.
Conhecia o Castrinho de Boxes, algumas esporáticas conversas. Apenas conhecidos.
Última vez que converser com ele foi no restaurante do Velopark no final do ano passado.
Alegre,
FACEIRO,
DISPOSTO,
conversamos bastante.
Disse que gostaria muito de continuar correndo,
mas alguém da família tinha que trabalhar para manter os demais.
Rimos muito.
Isso que éramos apenas conhecidos.
É o destino.
Ficará sempre na nossa memória.
Pedrão-SMO

fernando Nana disse...

O meu amigão quanta saudade de nossos papos de padok sempre otimista,ensinando os macetes ,q eteja em pas meu irmão.

Anônimo disse...

Sanco, perdemos sem dúvida além de um grande piloto um grande cara.Uma prova disso é a história que conto a seguir:
Eu conhecia o Castrinho desde os tempos que ele corria com o fusca 87 pois como eu era da mesma cidade dele, Canoas, várias vêzes fui até a oficina onde o carro ficava somente prá ver os caras preparando.Mais tarde competi de Kart e nossa amizade ficou maior.
Anos depois eu estava trabalhando em Santa Catarina e por acaso Castrinho e eu nos encontramos.Pensei que talvez ele não ligasse muito para minha presença.Quando perguntei a ele se estava passeando ele respondeu:
Sim, e eu sabia que você estava trabalhando por aqui e resolvi fazer uma visita.A visita durou mais ou menos 2Hrs.Adivinha sobre oque falamos.
Um abraço.

Anônimo disse...

Nós perdemos um grande Amigo o Automobilismo perdeu um grande Piloto o Matheus e o Cristian perderam um grande Pai!!!Peço a DEUS que tenhamos Fôrça para superar sua Falta...
Descansa em PAZ meu Amigo. Nico Monteiro.

Anônimo disse...

Kra é lamemtável tal perda! Soube d sua existência quando acelerava os FF em 79 e percebi q o kra era bota, a forma como cambiava, o estilo d pilotagem dava para ver q era do ramo. Dpois foi só acompanhar e ficar espiando os boxes, aprendendo muito na beira da pista, na dois pelo lado de fora ou na figueira na descida para o tala.

Faz parte!

Tazio Nuvolari

Marcelo Pacheco #49 disse...

Lamentável, conheci o piloto (não a pessoa) Castrinho qdo acompanhava a Copa Shell, no final dos anos 80 e início dos 90, no Voyage #40 da Intral.
RIP Castrinho!

Meri disse...

Para uma pessoa muito especial...descansa em paz...

vitorio soder disse...

È fooooda.péssima noticia sanco...eu tinha ele como meu maior idolo tudo que eu fazia nas minhas corridas eu ligava pra ele,me ajudou a comprar minha primeira moto de corrida ja contei isso no blog aqui..eles estavam tão felizes de moto a 15 dias encontrei aqui em floripa o seu paulo hoelle fazendo a revisao da sua moto e contou que ele tbm tinha comprado moto nova vaii....to deee cara..