segunda-feira, 4 de abril de 2011

Azeiteras e Fumacentos

O belo registro vem do calendário 2011 da Mahle Metal Leve e mostra um duelo que é tema quase que diário nos e-mails entre dois grandes amigos Jurássicos, o Fernando Esbroglio e o Roberto Giordani. Um sempre defendendo os Volkswagen e o outro os DKW.

Ao ver a imagem, lembrei imediatamente dos dois. Quanto aos pilotos abaixo, vocês saberão identificá-los.

Fonte da imagem: calendário Mahle Metal Leve 2011 - arquivo Paulo Trevisan.

17 comentários:

Anônimo disse...

Dois grandes, Roberto Giordani e Maurício Rosemberg!
Paulo Schütz

luizborgmann disse...

Do carro #73, o Mauricio Rosemberg e o Gilberto Toffoli Culau (Gessy) já nos deixaram. Bela foto, acho que neste registro o Giordani está com slicks nas ultimas aparições do #88. Regulamento obrigava paralamas cobrirem os pneus, daí os "puxados" que aparecem nas fotos. Alô Leandro, na identificação do post aparece o nome do Hoerlle no DKW.
luiz borgmann

Marcelo Cé disse...

Gostaria de saber do Roberto Giordani, qual a relação com a Cidade de Encantado, por causa da frase do Para-brisa."Visite Encantado".

Rodrigo Elesbão disse...

E ai Sanco,

Me passa teu celular

Abraço

Roberto Giordani. disse...

Sem querer antecipar a identificação de carros e pilotos, e já o fazendo pois ambas viaturas são de fácil identificação, respondo aos amigos do Blog:
- Esta prova deve ser as 12 Horas de 1972;
- O nome Hoerlle aparece pois foi com o Paulo Hoerlle, este grande piloto e cidadão, que formou dupla comigo naquelas 12 Horas;
- A mensão do Borgmann com referência aos paralamas está correta. Já tínhamos aros de 14 pol e usávamos pneus da Firestone ou uma versão de Pirelli Cinturato larga e de perfil mais baixo;
- O relacionamento com a simpática cidade de Encantado vinham de duas fontes: a primeira, com um parente distante, Ampère Giordani, que era um esforçado promotor de encontros da Família Giordani, e o segundo, em reconhecimento ao então Prefeito e depois Deputado Antônio( putz... fugiu o sobrenome) que era um entusiasta do Automobilismo e nos recebia com fidalguia na cidade;
- O 73 é do Maurício, piloto habilidoso e ferrenho competidor, com quem mantive "peleias" duríssimas enquanto estivemos na mesma categoria.
Um grande abraço aos amigos do Blog e principalmente ao Sanco, este esforçado e simpático amigo.
Roberto Giordani.

Carlos Alberto Petry disse...

Caro amigo Giordani, apenas um reparo, a prova em questão foi uns 500 KM DE TARUMÃ, na qial corri em dupla com o Cezar Augusto Duarte Ramos, com a DEKA do Paulinho Hoerlle, enquanto ele corria em dupla contigo. Um grande abraço.

Tiago Giordani disse...

Li o comentário do Roberto Giordani a respeito da cidade de Encantado pergunta feita por outro Encantadense Marcelo Cé.
O ex prefeito e ex deputado que tu te refere chama -se Antônio Lorenzi e o Ampére Giordani é meu pai.
Um Abraço
Tiago Giordani

Niltão Amaral e Leo Tumelero disse...

Hoje temos o Moisés Rosemberg correndo na Copa Classic RS com a Puma #73.

Presença confirmada na 2a etapa, em Guaporé, 23/04, juntamente com a Copa das Federações (Brasileiro) e Gaúcho de Endurance.

Roberto Giordani disse...

Oi Petry; já se faz necessário eu tomar "ginco biloba " para não confundir as provas; obrigado pela observação.Um grande abraço.
Giordani.

Anônimo disse...

Giordani, creio que "peleia duríssima" era o nome de qualquer disputa onde participasse o Maurício, hehe.
Abraço,
Paulo Schütz

Roberto Giordani. disse...

Olá Tiago!
Fico feliz de receber a informação de um filho do Ampére. Conheci o Ampére na loja que possuia em tua cidade, levado por um outro amigo comum de Bento Gonçalves: Alio Di Bernardo. Admirava muito o trabalho do Ampére para manter viva a tradição dos encontros da família Giordani; o termo " parente distante" é uma forma carinhosa de dizer que muito o apreciava, embora nossos troncos de família fossem de diferentes cidades na antiga Italia. Depois, tomamos rumos diferentes e como é normal nestes casos, não mais nos encontramos. Espero que o Ampére continue forte e radioso como na época em que o conheci.
Era Lorenzi sim o sobrenome; com a tua ajuda a memória reanimou; ele ainda vive em Encantado, está bem?
Um grande abraço.
Roberto Giordani.

Roberto Giordani disse...

Oi Paulo!
É verdade: o Maurício além de ótimo piloto, era combativo e perseguia a ultrapassagem ou não entregava a posição, não sem antes dar um combate cerrado para ultrapassar ou não ser ultrapassado.
" Carne de pescoço "( no bom sentido) como dizia o Raul Mostardeiro, que era um eficiente Administrador de Tarumã daquela época.
Um grande abraço.
Giordani.

Roberto Giordani disse...

Oi Nilton....Oi Leo!
Fico satisfeito quando os vejo falar na Classic: espero que a mesma tenha agora, tomado seu rumo certo, com regulamentos e admistração que a façam crescer.
Na verdade, esta seria a categoria que poderia abrigar, os antigos pilotos após uma determinada idade de vida e tempo em que fizeram sua última competição como Pilotos Graduados, e que desejassem voltar a competir.
Já fizemos público diversas vezes, que na hipótesede voltarmos a competir, nada precisa ser provado, pois o passado de cada um avalisa seus feitos e suas glórias.
O que conta é o prazer de voltar a pilotar.
Alguns membros da nossa Confraria dos Jurássicos, voltaram a pilotar os Volvos Eurobike da Escola do Carlinhos Andrade, nosso confrade, como também os Veloce por graça de nosso também confrade Fleck e da direção do Velopark: foram dias maravilhosos.
Continuem seu trabalho de recuperarem a Classic.
Um grande abraço.
Roberto Giordani.

Tiago Giordani disse...

Caro Roberto !
Fico feliz em saber que tinha admiração pelos amigos e apaixonados pelo automobilismo.
O Lorenzi esta morando em Poa e meu pai fica indo e vindo de Florianóplois e Encantado.
Comentarei com ele de ti quando encontrá-lo.
Abraço
Tiago Giordani

Esbroglio disse...

Pois saibam todos que o DKW 88 Red Boi vai voltar às pistas ! Aguardem novidades !

Carlos Alberto Petry disse...

O Esbroglio, levantou uma pequena fumacinha, a respeito de um dos segredos mais bem guardados do automobilismo brasileiro de competição.

Roberto Giordani. disse...

Ôôô Esbroglio!
Estou começando a ficar desconfiado que esta história de Red Boi não é a cor do 88 e sim o tamanho de quem o pilotava.
Vejas lá!!!!!, como falam os portugueses.
Um enorme abraço a todos.